skip to Main Content
Menu
Macroscópio – Nós E Os Outros

Macroscópio – Nós e os outros

Não há como fugir. De tempos a tempos somos confrontados com vinhos que vêm de fora e ficamos sempre naquela posição ingrata de tentar fazer comparações entre eles e nós. Válidas? Sim senhor! Úteis? Nem por isso…

O jantar foi há poucas semanas. O grupo presente para o festim já tem algum historial de sessões vínicas de alto gabarito. O modelo é pouco habitual nestas coisas: os vinhos são trazidos sempre pelo mesmo conviva que gosta de partilhar as coisas boas que tem e por isso não se repete aqui a forma mais usual que é cada um trazer o seu vinho, brincar nas provas às cegas e depois deixar correr a conversa e o marfim, esperando que os disparates sejam em quantidade suficiente para alegrar a noite. Confesso-me grande adepto deste modelo e nada me incomoda com as tontices vínicas que possa dizer, uma vez que esse é um dos prazeres destes encontros: descobrir, pôr a base de dados mental a funcionar, juntar peças de um puzzle, procurando acertar na mouche. É claro que acertar tem piada mas não é esse o motivo que deve levar os amigos a este tipo de encontros.
Mas o meu encontro que acima referi não é destes. Ali os vinhos chegam às claras, muitas vezes são comunicados antecipadamente aos convivas e por isso não é de um jogo que se trata, é puro prazer de conviver com grandes vinhos à frente. Eles chegam de várias origens: predominam os Bordéus, sobretudo em tintos mas também em colheitas tardias (vários Sauternes já vieram à liça, desde o consagrado Yquem até ao Château Gillette, por exemplo); do Rhône chegam sempre brancos e tintos, do vale do Loire há também brancos e, de fora de França, é habitual chegarem vinhos da Austrália, da Califórnia, Nova Zelândia, sempre topos de gama, daqueles que por vezes apenas ouvimos falar mas nem a garrafa tínhamos visto.
Como se vê pelo que atrás disse, as jornadas são sempre muito motivadoras e geram imensa discussão. Quais os melhores, quais as desilusões, quais os narizes de cera, quais os underdogs que se mostram melhor do que se esperava, etc, etc.

Chuva de estrelas

A simples listagem do que se bebeu no mês passado já é de cortar a respiração, sobretudo nos blockbusters de Bordéus, com Pétrus 89 à cabeça mas bem assessorado por Ausone 2005 (este em double magnum), Clinet 89, Hosanna 2005; noutros encontros tivemos Mouton, Lafite, Margaux, Cheval Blanc, Haut-Brion, Pichon Contesse de Lalande e por aí fora. Nos brancos ficámos com um velho conhecido – o Condrieu La Doriane de Guigal, um Beaucastel que é um clássico de Châteauneuf-du-Pape e tivemos duas incursões dawn under: um branco da Nova Zelândia e outro da Austrália, ambos de Chardonnay. A particularidade do neozelandês é que tinha cápsula em vez de rolha e isso, passados 11 anos, não lhe trouxe qualquer prejuízo excepto a natural redução (para uns defeito, para outros virtude…); do Loire (Vouvray) chegou também um habitué – a Cuvée Constance 2003 do Domaine Huet, um 100 pontos Parker que, este sim, os merece sem rebuço. Vários dos tintos eram também vinhos de 100 pontos.
Passada esta apresentação/listagem, vamos ao ponto central: por muito que o tentemos evitar, somos normalmente levados a pensar que, caso estivessem por ali vinhos portugueses e se a prova fosse cega, algo de complicado poderia acontecer. Inevitavelmente vêm sempre à memória outras situações – como o célebre julgamento de Paris – em que, numa prova organizada em 1976, os vinhos de Bordéus foram confrontados com outros da Califórnia e…perderam.
Já por várias vezes escrevi que este tipo de provas comparativas não faz qualquer sentido. Ou pode fazer todo o sentido, depende do ponto de vista. Comecemos então pelo fim. Se estivessem ali à prova vinhos portugueses e não se soubesse o que se estava provar, é provável que os vinhos nacionais, sobretudo tintos, tivessem grande prestação. Não seria favor nenhum, uma vez que temos vinhos excelentes mas que pecam por mal conhecidos junto dos grandes opinion makers internacionais, os mesmos que levam os chineses a querem agora comprar Lafite, seja lá a que preço for. Este tipo de provas comparativas são complicadas de montar. O mais correcto seria comparar anos semelhantes mas, por exemplo, Douro e Bordéus costumam andar de candeias às avessas (como se sabe, em virtude do anticiclone dos Açores) e os anos bons numa região não são os mesmos na outra; sem ser tão rigoroso já me parece que seria correcto juntar anos próximos que possam ser bons nos dois territórios. E então o que aconteceria se um tinto do Douro ficasse à frente do Lafite ou do Pétrus? Pois é, não aconteceria rigorosamente nada, para além de um bruá inicial. No dia seguinte os compradores iriam na mesma comprar o Pétrus, apesar do tinto português custar 20 vezes menos.
Por isso reafirmo que este tipo de provas não faz qualquer sentido. Não são elas que dão indicações de compra para o mercado, não são elas que definem quem merece e quem não merece ser comprado. Foi por isso que, no jantar do meu amigo, e embora este tipo de pensamento me tenha ocorrido, me quedei calado porque o que eu estava ali a provar eram vinhos quem têm séculos de história para contar, que passaram guerras mundiais, que vêm de propriedades ocupadas por nazis, que têm histórias familiares fantásticas e dramáticas e é nisso que quero pensar quando provo um Ausone ou um Pétrus. E pouco me rala que há 50 anos o Pétrus custasse 20 e agora custe 3000; com o Barca Velha passa-se o mesmo, com os Porto Vintage também e com os Madeiras idem, idem. Vamos lá comparar o que é suporto ser comparado e deixar para os incautos a despesa da verborreia vínica.

In, Vinho – Grandes Escolhas, Junho 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back To Top
×Close search
Search