skip to Main Content
Menu

O sonho que eu tive

Às vezes passam-se coisas interessantes durante a noite…

Foi já depois do Natal. Acordei meio estremunhado e dei comigo a juntar as peças de um puzzle algo confuso, um sonho meio esquisito que tinha acabado de ter. Como habitualmente, tive de escrever à pressa o que me tinha passado pela cabeça, não fosse esquecer tudo rapidamente, o que também me acontece sempre. E fiquei espantado com as notas que tomei, já que elas eram um autêntico programa de acção para o Douro. A noite longa e a desorganização típica dos sonhos levaram-me a pensar desordenadamente e só com alguma lucidez trazida pela alvorada foi possível refazer tudo. Sonhei, por exemplo, que o Douro estava muito mudado, quer nas pessoas quer nas práticas: com um IVDP activo e dinâmico e com várias associações no terreno (as das grandes empresas mas também as dos lavradores e dos pequenos produtores), a reformularem as regras do sector, as tais que foram criadas na época em que só se produzia Vinho do Porto, regras que se mantiveram até hoje, quando os DOC Douro estão quase a “apanhar” o Porto em quantitativos de produção. O benefício continuava a existir mas os preços à produção tinham subido significativamente, a área de vinha estava controlada e o Vinho do Porto tinha subido de patamar em termos de preços de prateleira. Mas o tal sonho era ainda mais optimista: os grandes operadores do sector, ao invés de se andarem a “matar uns aos outros” com políticas de preços baixos irrealistas e que deitaram a perder categorias tão interessantes como os Late Bottled Vintage, estavam a actuar em grupo, com preços acordados previamente. Onde? Nos almoços de 4ª feira que no meu sonho existiam entre todos os grandes grupos e que replicavam a prática da Feitoria Inglesa do Porto. Era ali, antes de se servir o Porto vintage, que se coordenavam estratégias e políticas, com convidados que vinham dar achegas, uns para ouvir outros para aprender, outros para falar de experiências próprias e com frequência por lá passavam representantes das associações atrás referidas. Curiosamente o IVDP tinha passado a ser controlado pelo próprio sector e os grupos de pressão que até então tinham dominado as direcções do Instituto estavam reduzidos à sua insignificância. Respirava-se ar puro, não só na cidade como nas vilas e aldeias, com incentivos à criação de pequenas empresas, com facilidades concedidas pela Alfândega (entretanto remodelada e sem o perfil pidesco que tinha) e com enormes incentivos à instalação de novos lavradores no interior, desde isenção de IRS, preço de gasóleo agrícola ainda mais barato e escolaridade subsidiada. Como é que num sonho se tinha conseguido tudo isto? Tanto quanto me lembro porque havia vontade (do poder político), porque as pessoas se sentavam à mesa a negociar e a decidir e porque se concluiu que o sucesso de uns devia corresponder ao sucesso de todos e porque, nas horas difíceis, não andavam todos a chutar para canto. A coisa não me parecia assim tão difícil. O problema foi que depois…acordei!

Sugestões da semana:
(Os preços, meramente indicativos, foram fornecidos pelos produtores ou consultados on-line)

QM Alvarinho branco 2017
Região: Monção-Melgaço (Vinho Verde)
Produtor: Quintas de Melgaço
Enologia: Nelson Carvalho / Jorge Sousa Pinto
Casta: Alvarinho
PVP: €8,40
Fermentou em inox, é um vinho fresco e jovem, cheio de fruta.
Dica: muito bom para peixe ou marisco, levemente cozinhados. E guarde também algumas garrafas em cave.

Valle Pradinhos Reserva tinto 2015
Região: Reg. Transmontano
Produtor: Maria Antónia Azevedo Mascarenhas
Enologia: Rui Cunha
Castas: Tinta Amarela, Cabernet Sauvignon e Touriga Nacional
PVP: €9,75
Este foi o primeiro vinho a ganhar prestígio em Trás-os-Montes. Continua a ser uma boa aposta.
Dica: muito enérgico e desafiante, um tinto que se bate em várias frentes, sempre na zona das carnes.

Dalva Colheita Tardia branco 2014
Região: Douro
Produtor: C. da Silva
Enologia: José Manuel Sousa Soares
Casta: Boal (Sémillon)
PVP: €25 (0,375 ml)
Vindimado bago a bago durante Outubro e Novembro, com alguma podridão e concentração de mosto.
Dica: um branco de sobremesa ou, com mais ousadia, para entrada com foie-gras. A garrafa dá facilmente para três ou quatro convivas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back To Top
×Close search
Search